Normas

Da Paraíba para o mundo, com amor:

Todo o material publicado nesta página representa o ponto de vista parcial e preconceituoso de um indivíduo do século passado. Se você achar aqui afirmativas que lhe pareçam sexistas, xenófobas, racistas ou, de qualquer outra maneira, ofensivas a seus pontos de vista, pare de ler imediatamente. Ou prossiga, a seu próprio risco. Ou não.

Use antes de agitar: leia as normas do blog e lembre-se: comentários são moderados. Anônimos não serão publicados.

E aproveite que eu sou professor: se você achar que eu posso ajudar, mande um e-mail para mrteeth@ghersel.com.br

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Beicinho

Não é pior do que parece ser
Foda-se!
Titãs (Fazer o quê?)

Depois da no mínimo ridícula reação dos muçulmanos às caricaturas do profeta Maomé em uma obscura revista dinamarquesa - que, diga-se de passagem, se não tivessem feito aquele carnaval todo, ninguém teria notado - agora investe-se sobre o governo britânico por este ter condecorado o escritor Salman Rushdie. Mas, será possível que esse pessoal não aprende? Fazem beicinho por qualquer coisa, se acham melhores que os outros seres humanos, insistem em impor sua moral decadente e anacrônica ao resto do mundo... só posso classificá-los de ridículos.

O governo britânico, por sua vez, diz que "lamenta a ofensa causada", o que me deixou sem entender se eles lamentam que tenham ofendido os sensibilíssimos senhores (e aí passam atestado de covardes) ou se eles lamentam que os caras tenham se ofendido (ou seja, fodam-se, nós condecoramos quem quisermos, estamos em um país democrático e livre). Eu espero sinceramente que seja a segunda opção, assim eu o faria, na minha casa mando eu, dane-se quem achar ruim. Quando eu for na sua casa, se eu for, vou me comportar conforme as suas regras.

Me lembrou da academia de caratê. O Sansei não gostava que os atletas fossem à academia sem camisa, o que gerava sempre acaloradas discussões. Ora, Campo Grande faz um calor saárico, a academia era um galpão com teto de alumínio, janelas pequenas, a gente treinava uma hora e meia por dia, perdia muita água e, findo o treino, o pensamento era um só: tirar o quimono o mais rapidamente possível e sair dali com a menor quantidade de roupa possível. Mas o Sansei estava na porta do vestiário e não deixava ninguém sair sem camisa. Eu era o único que achava isso certo, afinal de contas a academia era uma extensão da casa dele, ele tinha todo o direito de não querer um bando de marmanjos sem camisa lá dentro, ainda que isso fosse uma grande bobagem na opinião de todos nós. Tá, eu acho que é bobagem, mas ele não. E é a casa dele, então eu respeito, como eu quero que respeitem a minha.

Assim, eu condecoro quem eu bem entender na minha casa, dane-se quem achar ruim. Se reclamar ainda leva um teco na orelha. E o Rushdie é persona non grata a todos aqueles senhores carrancudos de turbante preto, e só por isso ninguém pode gostar dele. Quem prestar uma homenagem a esse moço vai se ver mal! Mas isso é muita falta de respeito, os britânicos deviam era mandar esses velhos pra um lugar bem bonito, capito?

Update: Acabei de ler um ótimo artigo sobre a questão das charges, dos discursos do papa Chico Bento 15,5 e da situação em geral. Vale a pena, leia você também.

Um comentário:

maristela bairros disse...

Hi, Mister!
Inglês é fogo! Compra a briga mas consignada, né? Tem muita gente assim - faz que vai, mas na hora H, tira o corpinho fora. Vai ver é daí que saiu a expressão "coisa pra inglês ver".
abraços
maristela