Normas

Da Paraíba para o mundo, com amor:

Todo o material publicado nesta página representa o ponto de vista parcial e preconceituoso de um indivíduo do século passado. Se você achar aqui afirmativas que lhe pareçam sexistas, xenófobas, racistas ou, de qualquer outra maneira, ofensivas a seus pontos de vista, pare de ler imediatamente. Ou prossiga, a seu próprio risco. Ou não.

Use antes de agitar: leia as normas do blog e lembre-se: comentários são moderados. Anônimos não serão publicados.

E aproveite que eu sou professor: se você achar que eu posso ajudar, mande um e-mail para mrteeth@ghersel.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2005

Normas

Estas são algumas normas para a participação neste weblog:

1. Todo o material publicado nesta página representa o ponto de vista parcial e preconceituoso de um indivíduo do século passado. Se você achar aqui afirmativas que lhe pareçam sexistas, xenófobas, racistas ou, de qualquer outra maneira, ofensivas a seus pontos de vista, pare de ler imediatamente. Ou prossiga, a seu próprio risco.

2. Como eu sou o dono do blog, eu faculto a você o direito de fazer comentários, mas me reservo também o direito de ignorar ou mesmo apagar os comentários dos quais eu não goste. Deixe pelo menos o seu nome. Comentários anônimos não serão publicados.

3. Na descrição do blog eu digo que sou politicamente incorreto, anarquista, libertário, boca-suja e que me encontro no limite da ilegalidade. São verdades absolutas:

  • Eu não ligo para o que seja politicamente correto ou não. Se eu achei errado, eu escrevo com todas as letras, dane-se se ofender alguém.
  • Detesto hierarquias, principalmente quando são invertidas. Eu acredito que as "autoridades", constituídas ou instituídas, não estão acima de nós em uma eventual escala hierárquica. Essas pessoas são nossas empregadas, nós votamos nelas para colocá-las em uma posição em que podem administrar os nossos bens, ou seja, os bens públicos. Pagamos seus salários. Então, vereadores, deputados, senadores, presidentes (da república, do CRO, do que seja), síndicos etc, são nossos empregados. Infelizmente nós ainda não podemos mandá-los embora quando eles não cumprem suas funções com decência. Sonho com esse dia.
  • Acredito viceralmente na liberdade, desde que esta vá até onde começa a do meu semelhante. Luto pela liberdade de comandar minha própria vida, mas está difícil...
  • Às vezes eu falo (e escrevo) palavrões. Coisas da vida.
  • Digo que me encontro no limite da legalidade mas eu sei que às vezes eu chego a forçar esses limites. Detesto polícia. As forças armadas (exércitos, polícias etc) são antros de corrupção e seus membros se julgam superiores aos mortais comuns porque andam armados. Formam, junto às "autoridades" o conjunto que representa a hierarquia invertida, ou seja, policiais são pagos por nós para nos proteger e não para nos amedrontar, como ocorre hoje no Brasil. Também não hesito em encorajar meus interlocutores a sonegar impostos, quando vejo que estes são injustos. Forço ou não o limite?

2 comentários:

Anônimo disse...

Ahê, Dentes!

Finalmente um blog pros trabalhadores orais, manda ver!

Coockie disse...

Sr. Colega,
Noto clara semelhança entre "nós", mas são poucos que têm a pureza de alma para se expor publicamente.
Agradeço-lhe.