Normas

Da Paraíba para o mundo, com amor:

Todo o material publicado nesta página representa o ponto de vista parcial e preconceituoso de um indivíduo do século passado. Se você achar aqui afirmativas que lhe pareçam sexistas, xenófobas, racistas ou, de qualquer outra maneira, ofensivas a seus pontos de vista, pare de ler imediatamente. Ou prossiga, a seu próprio risco. Ou não.

Use antes de agitar: leia as normas do blog e lembre-se: comentários são moderados. Anônimos não serão publicados.

E aproveite que eu sou professor: se você achar que eu posso ajudar, mande um e-mail para mrteeth@ghersel.com.br

quarta-feira, 28 de setembro de 2005

10 mitos da Ortodontia - a série

1- O crescimento crânio-facial e a ortopedia funcional dos maxilares

Eu sei que quem trabalha com ortopedia funcional acredita de coração que os aparelhos conseguem estimular crescimento. Eu até concordo que, em alguns casos específicos, os aparelhos funcionais podem fazer com que o paciente cresca o máximo que seu patrimônio genético lhe permite. Porém, alguns pontos devem ser muito bem pensados, para que o profissional não faça promessas que não podem ser cumpridas.

O primeiro deles é que ninguém, até hoje, conseguiu provar que um aparelho, qualquer que seja, fez um paciente crescer. Não é possível saber se o crescimento que ocorreu com o uso do aparelho foi devido a esse uso ou se foi um crescimento que o paciente teria, mesmo sem o tratamento. Antigamente até seria possível uma experiência digna do Dr. Mengele, com um par de irmãos gêmeos, tratando-se um deles e não o outro, depois comparando-se o crescimento dos dois, mas hoje isso não é mais aceito eticamente. Ainda bem. Mas, infelizmente, essa percepção ética impede que se prove se o tratamento é realmente efetivo.

O segundo ponto é que ninguém cresce mais do que o que está programado geneticamente. Acontece muito de o crescimento ficar prejudicado por problemas diversos, um travamento de oclusão, má nutrição, hábitos e outros fatores, e nesses casos o tratamento ajuda a eliminar esses fatores e permite que o crescimento se dê por completo. Mas um paciente cuja família toda tem deficiência mandibular nunca terá uma mandíbula maior que seus pais, a não ser que se faça cirurgia ortognática. Pode-se expandir uma maxila em mais de 8mm, mas será uma expansão mecânica. Não é estimulação de crescimento. Se geneticamente o paciente tem maxila pequena, pode estimular à voltade, não vai crescer o suficiente. Qualquer osso só cresce até onde a genética manda.

O terceiro é que, ao contrário do que juram alguns adeptos de teorias piradas, adulto não cresce. E eu coloco em negrito porque disso eu tenho certeza. Não importa que tipo de aparelho você use, depois que terminou a fase de crescimento puberal (nos meninos, lá pelos 16 anos e nas meninas por volta dos 13), não há tratamento no mundo que faça um paciente crescer. O único jeito de se aumentar o tamanho de um osso depois dessa fase é com distração osteogênica, uma técnica cirúrgica, invasiva e ainda pouco pesquisada. Muito radical. Mas, quem sabe, tema para tese de pós-doutorado. Você instalou aparelho de ortopedia em adulto e conseguiu resultado? Pode acreditar, foi remodelação óssea e movimentação dentária, nada mais.

2 comentários:

Adriana disse...

Abordagem muito bem colocada, concordo em número, genero e grau. Só uma observação, o crescimento puberal pode variar um pouco de 1 a 3 anos a mais...se relacionarmos interferencia de outros fatores biológicos e ambientais.

Dr.Sormani Queiroz disse...

Muito bom. Acho engraçado quando vejo algum adulto usando aparelho ortopédico...isso se chama "picaretagem".