Normas

Da Paraíba para o mundo, com amor:

Todo o material publicado nesta página representa o ponto de vista parcial e preconceituoso de um indivíduo do século passado. Se você achar aqui afirmativas que lhe pareçam sexistas, xenófobas, racistas ou, de qualquer outra maneira, ofensivas a seus pontos de vista, pare de ler imediatamente. Ou prossiga, a seu próprio risco. Ou não.

Use antes de agitar: leia as normas do blog e lembre-se: comentários são moderados. Anônimos não serão publicados.

E aproveite que eu sou professor: se você achar que eu posso ajudar, mande um e-mail para mrteeth@ghersel.com.br

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Orgulho da Odontologia brasileira

O melhor o tempo esconde
Longe muito longe
Mas bem dentro aqui
Caetano (Trilhos urbanos)

Eu não tenho muito orgulho de ser brasileiro, não. País que não valoriza as melhores coisas que tem, elege políticos absolutamente ineptos, ladrões e bandidos, convive com corrupção e com o "jeitinho", enfim, um país onde, pra se dar bem, é preciso ser desonesto.

Mas na Odontologia, a coisa é um pouquinho diferente. Eu fui ao 11º Encontro Internacional de Ortodontia, em Bauru, promovido pelo HRAC. Como Bauru é o centro da Ortodontia brasileira, é de se esperar que os encontros lá sejam do mais alto nível, e este não me decepcionou. Só o que se poderia estranhar é que o nível das palestras dos brasileiros estava muito superior ao dos americanos. Se eu não soubesse que a Odontologia brasileira é de excelência, reconhecida em todo o mundo, eu ficaria espantado.

Não deu outra: o que os professores estrangeiros trouxeram não era nenhuma novidade, são coisas que fazemos já há mais de 10 anos. Muita expansão, pouca extração, mecânicas pouco invasivas, uso de diagramas ao invés de arcos preformados, essas coisas. Por aqui, já se fala em personalizar a angulação dos brackets (vide os brackets individualizados do Dr. Leopoldino Capelozza), mecânicas não protrusivas, etc. Ou seja: estamos bem, muito bem, na foto. Nossa ortodontia é de primeiríssima qualidade, ciência mesmo, sem empirismos, com evolução sólida. Disso dá orgulho, porque eu participo da coisa, afinal sou pesquisador também.

Então eu tenho que deixar meus parabéns a todos os Ortodontistas e todos os Cirurgiões Dentistas brasileiros que, com material deficiente e parcas condições tecnológicas, conseguem fazer uma Odontologia com "O" maiúsculo. Pra americano nenhum botar defeito.

Este post gerou outro. A discussão continua em Individualização x padronização

3 comentários:

CAMILO DE SOUZA CRUZ disse...

Meu trabalho é te traduzir
Rua da Matriz ao Conde
No trole ou no bonde
Tudo é bom de ver
..........
................
Maravilha vixe Maria mãe de Deus
Será que esses olhos são meus?
Caetano (trilhos urbanos)

Admirado Mr Teeth

Pensamentos têm vida própria e quando associados aos tempos políticos (queiros) que vivemos, cria este seu primeiro parágrafo. Eu não acredito que você não tenha orgulho ser brasileiro. Acredito que você como muitos estejam muito indignados e como controlar isto (a politicagem) está fora do alcance de suas mãos, desenvolve-se então este ar de por que não nasci em outro país? Mas todos outros textos seus mostram o quanto você sabe apreciar as coisas boas que só nós brasileiro temos, apesar da nossa pouca idade enquanto país.
Mr. Teeth, o Sr. já percebeu o estigma que criamos sobre e em relação a coisas de fora(seja de outro país ou de região que vivemos). Por ex. o ortodontista de São Paulo é melhor que o de Campo Grande ou o de Ribeirão Preto é melhor que o de Bebedouro, o da América do norte é melhor que o brasileiro.Outro dia fui a um curso do professor Adair Stefanello Busato (estética) e ele disse: “ Não entendo por que a Xuxa e outros famosos vão lá fora cuidar dos dentes, se os melhores estão aqui”.
Mas minha preocupação (e com todo respeito – por que sou apenas uma engrenagem gasta neste sistema) é quando o Sr diz :
“ Personalizar a angulação”... Vide os brackets personalizados...”. Acho ótimo e de grande avanço a indústria (nacional inclusive) poder fabricar brackets com detalhes, formas, tamanhos, e slots fidedignos ao último fio a ser usado e numa variedade conforme as classificações.
Classificar é coisa do ser humano que gosta de classificar tudo; entendo que classificar é diminuir o contingente, separando e colocando tudo dentro de 3 ou 4 balaios . Entende?!

Individualizar é fazer para o indivíduo. Não é?

O verbo deveria ser padronizar – padronização.É! Mas “individualizar” vende mais.

Com certeza a odontologia (ortodontia) tem passado por evoluções, hoje temos facilidades de angariar dados para executar diagnóstico (cefalometria computadorizada, previsão a longo prazo, 3 D , tomografia volumétrica, brackets estéticos e classificados,fios de memória estéticos) e facilidades de acesso que lembram dvd pirata Tropa de Elite .(até o Ministro da cultura assistiu assim)
Porém, sabemos que toda esta dita modernidade sem o raciocínio de nós ortodontistas nada funciona.Preocupação é que a ortodontia passe tratar toda “maloclusão” com “Xarope São João”, se não é assim, é assim que eu tenho visto toda vez que recebo propaganda de congressos e cursos que aqui recebo. A vaidade em divulgar o “aparelho de minha preferência” tem sido uma constância. Outro dia num congresso em Campinas, um colega (melhor que eu, é lógico ele é de Campinas – que é bem maior que Bebedouro) ocupou – se de horas para falar sobre o bracket do canino, que ele durante muitos anos desenvolvera. Eu pergunto é isto que é a evolução ortodôntica? Qual “máquina” devo colocar na boca de meus pacientes?
Como o Sr. vê o futuro? Pois sabemos que a ortodontia não é um ângulo de bracket e sabemos também que não é qualidade do bracket que vai distinguir o que é individualização. Como o Sr. já tratou “gêmeos idênticos”, sabe muito que era possível usar a mesma prescrição nos dois e, durante a condução da mecânica obter resultados diferentes , porém os dentes teriam o mesmo torque e ângulo. Certo ou errado?

Mr.Teeth espero ainda entender “capelosamente” o que venha ser individualização.
Porque (embora até tenha usado com slot 18 adquirido da abizil) me parece que estão usando individualização como máscara da standartização.

Um abraço e espero ver artigos sobre que você pensa sobre a ortodontia do futuro.

Ah! Para fora do contexto queria saber. Ortopedista (em odontologia) é só aquele que utiliza em sua clínica aparelhos moveis? Assim tipo Planas, SNs , Binlers ou similares ou é aquele que consegue uma transformação óssea , recuperando a função e a fisiologia independente do aparato ?

ESTIMO SUCESSO E BASTANTE OXIGÊNIO PARA CONTINUAR FORMANDO OPINIÕES.


CAMILO
camilodenise@hotmail.com

maristela disse...

Mr. Teeth. Como leiga, mas como brasileira, quero te parabenizar: temos uma tendência capiau para nos curvar aos que chegam de fora com contas coloridas enquanto nossas penas são muito mais bonitas. Coisa difícil esta falta de auto-estima deste povo, sô.
abração

Kelvin disse...

Caro amigo Mr. Teeth, a qualidade da odontologia brasileira realmente nos orgulha. Como prova disso é so voltar um pouco no tempo - íamos obter conhecimento no exterior pela inexistencia de boas escolas de ortodontia. Recooriamos EUA. Hj bons centros de ortodontia oferecem cursos de altíssimo nível.

Abraços